//
você está lendo...
Música

Maroon 5, na série “bandas que voltam a ser bandas”.

Título: Overexposed
Gravadora: A&M/Octone Record
Lançamento: 26 de junho de 2012
Single-chefe: “Payphone” part. Wiz Khalifa
Arte da capa: Nicholas Van Hofwegen. Segundo o vocalista Adam Levine, a capa representa a exposição excessiva a qual os artistas se submetem quando entram na indústria da música. Foi uma colaboração de vários ilustradores.


Depois da banda britânica Keane fazer seu retorno às origens, foi a vez do Maroon 5 dar a certeza aos fãs (e a eles mesmos) que não repetiriam o álbum medíocre que foi Hands All Over, lançado em 2010, do qual as faixas Misery (que ganhou cover em “Glee” pelos meninos da Dalton Academy Warblers) e Moves Like Jagger são as únicas lembráveis, e isso porque viraram um hit grudendo na cabeça das pessoas em 2011 – 2012.

No dia 26 de março desse ano, a banda anunciou em seu site oficial o título do álbum – Overexposed – e sua capa, que já foi caracterizado de antemão como “o álbum mais pop e diversificado até então” da carreira da banda. Foi no dia 16 de abril seguinte que o primeiro single do CD foi oficialmente apresentado, na versão americana do programa The Voice, onde o vocalista Adam Levine era mentor na época, e que teve recentemente seu contrato renovado para a terceira temporada do programa. A música escolhida foi a grudenta e fofa Payphone, que conta com a participação – mesmo que pequena – do rapper Wiz Khalifa, e que já tem clipe oficial há algum tempo.

Lembram da descrição do Adam pro álbum? De que ele seria o mais pop e diferente? Overexposed foi finalmente lançado hoje e quem já ouviu sabe que o vocalista não poderia estar mais certo. A primeira impressão que fica quando você ouve todas as faixas naquela mudança louca de gente que tá ouvindo um álbum pela primeira vez é cuspir no chão, dizer que é comercial e tacar o álbum pela janela.

Se você for fã, gostar o suficiente da banda, ou tiver amor pelo dinheiro que você pagou na cópia física para ouvir o álbum de novo, sentadinho na cama e prestando atenção nas músicas e nas letras, vai entender porque o álbum já rendeu mais estrelas que seu antecessor, e porque tem mais material para ser sucesso.

Sonoramente falando, “One More Night” e “Payphone” uma seguida da outra logo no começo fazem com que a primeira experiência com o álbum seja uma delícia – e garante que as duas já fiquem na sua cabeça. Depois, a banda quebra um pouco o agitado numa música cujo começo parece um mix de “Laserlight” e “Titanium“, ambas músicas do David Guetta em parceria com Jessie J e Sia, respectivamente, mas que no refrão se mostra bem diferente. Vale ressaltar que nessa faixa, e algumas outras, Adam Levine abandona a voz aguda na maior parte do tempo, e canta em um tom mais grave que pode soar estranho a priori, mas que no final da música cai muito bem no artista (devo confessar que estou ansiosa pra ouvir esse tom numa performance ao vivo).

As faixas seguintes – “Lucky Strike”, “The Man Who Never Lied”, “Love Somebody”, “Lady Killer” e “Fortune Teller” – trazem na sonoridade uma coisa que lembra a nova música do Scissor Sisters, “Only The Horses” e isso agrada bastante pra quem estava esperando o dançante. Aí está o pop que foi tão comentado. Um ritmo envolvente e bem comercial andando de mãos dadas com letras boas, algo inédito em músicas desse gênero e que os meninos do Maroon 5 souberam fazer com maestria.

Para os fãs do álbum de estreia da banda, Songs About Jane, “Sad” é um presente. É a única música do álbum que está claramente com um pé nas referências daquela época, e isso me fez abrir um enorme sorriso. A letra é divina, a melodia é envolvente e ela é absolutamente necessária no meio de todo aquele pop dançante que veio antes.

Os grandes diferenciais do álbum ficam por conta de “Beautiful Goodbye”, que é o hit de verão que todo álbum do universo deveria ter. Tem uma batida delícia com um violãozinho no começo que depois se transforma em algo mais parecido com um reggae – e com “Summer Paradise“, novo single do Simple Plan – e que faz o finalzinho do álbum valer a pena. Outro diferencial é “Wasted Years”, que possui um ritmo interessante que pode ser encontrado naquelas músicas antigas de bar a lá Moulin Rouge (e aquele episódio de One Tree Hill, 6×11, que se passa em 1940).

Quem chega até o final do álbum se depara com duas surpresas – um cover de “Kiss”, do Prince (uma das referências mais claras da banda), que ficou melhor até que a versão original, me atrevo a dizer, e o desnecessário re-lançamento de Moves Like Jagger, sem alteração nenhuma. Faixa jogada no álbum de qualquer jeito, uma vez que o cover teria fechado a seleção com chave de ouro.

Resumo da ópera: é um álbum pop SIM, mas que vale a cópia física em casa. Merece as estrelas que muitas críticas já deram, e a banda merece pelo esforço em compensar o fracasso mascarado de Hands All Over. 4,5 pra vocês, seus lindos!

Anúncios

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: